XII Bienal Internacional do Livro do Ceará

A Bienal Internacional do Livro do Ceará, ao longo de duas décadas, vem-se consolidando como um dos mais importantes eventos culturais do gênero no país e já tem lugar cativo na agenda literária estadual e nacional. Realizada em Fortaleza, de 14 a 23 de abril de 2017 no Centro de Eventos do Ceará, é uma iniciativa do Governo do Estado do Ceará, por meio da Secretaria da Cultura (Secult), em parceria com o Instituto Dragão do Mar e apoio do Ministério da Cultura, através da Lei Rouanet de Incentivo à Cultura.

A Bienal vai ofertar ao público atrações de natureza artística e literária, englobando palestras, mesas redondas, conferências, oficinas, contações de histórias, lançamentos de livros e outros eventos literários, além de apresentações com artistas de reconhecimento local, nacional e internacional, combinando uma programação democrática e de acesso gratuito, que atenda a um público plural – infantil, juvenil e adulto.

O evento caracteriza-se pela visibilidade na mídia e grande mobilização social, educacional e econômica. Durante os dez dias da Bienal, promovem-se encontros para ouvir opinião da sociedade e entidades envolvidas com a implementação de políticas públicas para o livro e a leitura; articula-se o fomento e a democratização do acesso ao livro e à leitura com secretarias da educação, estadual e municipais, e com escolas particulares e dialoga-se com o mercado, representado por editores, livreiros, distribuidores e autores independentes.

A mobilização e participação da sociedade se reflete no envolvimento do público durante a realização da Bienal. Quanto à frequência de público, a Bienal registrou, nas duas mais recentes edições, uma média de 55 mil visitantes/dia, seduzidos pelas atrações da abrangente programação temática adequada às diversas faixas etárias (Infantil – Juventude – Adulta) e pela feira de livros.

Em sua XII edição, a Bienal terá como tema Cada pessoa, um livro; o mundo, a biblioteca, que traz em si infinitas possibilidades: a diversidade de expressões, a multiplicidade de vozes; incontáveis itinerários narrativos a proporcionar conexões transculturais, encontros de mundos, diálogos no espaço presencial e virtual, fazendo uma grande homenagem ao acervo literário universal, à cultura e à identidade brasileira como patrimônio da humanidade.

O conceito da Bienal tem por núcleo a ideia de acervos vivos, que será desenvolvido a partir de quatro eixos, relacionados ao tema central:

Pessoas

Este eixo delineia os acervos pessoais a partir da diversidade étnica, da miscigenação, da múltipla expressão da mestiçagem, dos idioletos, dos valores, das idades, das gerações, das nações, das tribos, das bandeiras, dos sonhos…, enfim, a ideia de acervos pessoais como metáfora que encapsula tempo, espaço, duração, ideologia, afetos, a múltipla metáfora da identidade.

No âmbito deste eixo, será feito também o registro vivo, durante o evento, de diversos espaços, diversas etnias, diversas idades, diversas tribos presentes na Bienal – cuja expressão ampliará, ao longo dos 10 dias, o conteúdo da sala “Museu das Pessoas”.

Livros

Este eixo refere-se a evolução dos registros, das inscrições rupestres ao mais avançado acervo digital; o livro, suas formas e contextos: artesanais, digitais, incunábulos, impressos, restritos, best-sellers, clássicos, marginais… O objetivo visa proporcionar argumentos para a constatação dos objetos livros como patrimônio simbólico da humanidade, como sedução para os leitores e como detentores de uma faixa de tempo, guardiões da memória, senhores da História – Sala “Museu de História dos livros”

Mundos

Este eixo expressa a relação entre ficção e realidade, entre história individual e coletiva, o encontro dos acervos individuais através da experiência de leitura de mundo constituindo o conjunto das pluralidades expressivas: reais, imaginárias, presentes, passadas, futuras, (re)criadas, (in)continentes, políticas… resgate de práticas leitoras, festas literárias, cidades do livro, livros emblemáticos e escritores do mundo inteiro e de mundos imaginados – Sala “Museu dos Mundos Inventados”.

Bibliotecas

Este eixo propõe a metáfora da permanência, inscrita no conceito Biblioteca como lugar de promoção da leitura e espaço de convivência literária. Fortalece a proposta de política pública para constituição e fomento de bibliotecas comunitárias, escolares, vivas, ancestrais, públicas, particulares, populares, ambulantes… Será criado no local do evento um espaço que favoreça o despertar da noção de que cada pessoa seja entendida como uma biblioteca de saberes e que o mundo é o coletivo de bibliotecas, e que cada biblioteca é um lugar para dinamização de acervos do mundo, a metáfora da metamorfose ambulante, da constante permanência e transformação, representadas pela sala “Museu das Bibliotecas do Mundo”

PRINCÍPIOS NORTEADORES

A Bienal é muito mais que um evento. Faz parte de uma política pública de incentivo ao livro e à leitura e se fundamenta por meio dos seguintes princípios norteadores:

Cultura

A dimensão da Cultura estabelece a Bienal como espaço de manifestação da criação e reinvenção do mundo, das tecnologias, dos valores e das expressões de identidades e diversidades culturais.

Educação

A dimensão da Educação propõe ambientes propícios para a aprendizagem, a experimentação, a fruição, a criação e a formação por meio da leitura.

Economia

A dimensão da Economia, bem mais do que apenas pelo resultado financeiro do evento, será medida sob a ótica do impacto do mercado editorial no PIB do estado, do país, e leva em consideração o papel estratégico da indústria editorial e da economia criativa do livro.

Conhecimento

A dimensão do Conhecimento define o evento como espaço de promoção da literatura e da reflexão tendo os autores (e seus livros) e leitores como protagonistas.

Produção Editorial

A dimensão da produção editorial é considerada em todas as suas áreas do conhecimento, provocando intercâmbios entre regiões e escritas diferentes (escritores acadêmicos com escritores de literatura, assim por diante).

Acessibilidade e meio ambiente

Em harmonia com os quesitos ambientais, a Bienal atende também às determinações legais quanto a acessibilidade e inclusão de pessoas portadoras de deficiência.

Cidadania

A dimensão da Cidadania destaca o papel da Bienal quanto à responsabilidade social que todos os atores da cadeia do livro e da leitura têm na formação do cidadão, por exemplo, o direito a ler e a escrever.

ENCONTROS E ESPAÇOS TEMÁTICOS

Bienal fora da Bienal

Parte da programação do evento será realizada em municípios e comunidades predefinidos, segundo critérios de programas de democratização do acesso ao livro e à leitura em desenvolvimento no Estado no período da bienal.

Encontros

  • VIII Encontro do Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas
  • Encontro da Oralidade & Escritas em Língua Portuguesa
  • IV Encontro de Agentes de Leitura do Ceará
  • Encontro de Mediação de Leituras: Da oralidade ao livro na mão
  • Letra de Mulher, Novas Páginas
  • III Encontro Periódicos Literários Brasileiros

Espaços Temáticos

  • Café Literário – espaço de convivência e promoção literária, oferta bate-papo com autores e público e lançamentos de livro.
  • Espaço Natércia Campos – espaço organizado pela Academia Cearense de Letras, promove a Literatura Cearense.
  • Espaço Praça do Cordel – espaço que reúne cordelistas, repentistas, xilogravuristas e todas as expressões da Cultura Cordel.
  • Espaço Juventude Fantástica – espaço que oferece programação para público jovem de qualquer idade anos, atende o pré-adolescente e o jovem adulto, com temáticas específicas.
  • Espaço Erê-Curumim – oferece ampla programação para crianças.
  • Espaço Luiza de Teodoro – promove palestras e lançamentos para o segmento Educação, envolvendo Literatura e o fomento à leitura.