noticias

Bienal do Livro do Ceará leva escritores ao Titanzinho nesta sexta, ao Vila do Mar e ao Cuca Jangurussu neste sábado.

Ignácio Loyola Brandão

Dentro da programação da Bienal Fora da Bienal, uma das mais destacadas nesta edição, a XII Bienal Internacional do Livro do Ceará promove nesta sexta-feira, 21/4, às 16h, o encontro do escritor André Neves com moradores doTitanzinho e neste sábado, 22/4, também às 16h, uma conversa entre o autor Daniel Galera e os moradores da Vila do Mar, no Pirambu, além de uma fala do consagrado escritor Ignácio de Loyola Brandão no Cuca Jangurussu.

O pernambucano André Neves é autor e ilustrador de livros infantis e participará, no Titanzinho nesta sexta-feira, de um bate-papo a partir do mote “Cadernos de areia em uma Fortaleza escondida”, em “Uma conversa à beira-mar”. O autor estará no bairro desde o almoço e terá uma conversa com agentes de leitura, participantes do programa realizado pela Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult) para promover a leitura, de casa em casa, com empréstimo de livros, rodas de conversa e formação e incentivo à leitura.

No sábado 22/4, serão duas atividades da Bienal Fora da Bienal: na Vila do Mar, no Pirambu, às 16h, o escritor Daniel Galera põe os pés na areia e os braços n´água para conversar com os moradores a partir do mote “O coração do mar é o vento” em “Uma roda de conversa no mar”. Será uma roda de conversa, literalmente, dentro do mar, com o autor paulistano, filho de gaúchos, escritor e tradutor de literatura contemporânea de língua inglesa, um dos criadores da editora Livros do Mal, por onde lançou seu livro de estreia, “Dentes guardados” (2001) e a primeira edição de “Até o dia em que o cão morreu” (2003). Seus livros e contos foram adaptados para cinema, teatro e histórias em quadrinhos.

às 19h deste sábado, no Cuca Jungurussu, o consagrado Ignácio de Loyola Brandão fala sobre “A literatura como modo de rebeldia urbana”. Aos 81 anos, o autor é contista, romancista e jornalista, com vasta produção literária, tendo sido traduzido para diversas línguas e tendo recebido o Prêmio Jabuti. Entre suas obras estão “Não verás país nenhum”, de 1981, e “O homem que odiava segunda-feira” (1999).

Daniel Galera

No domingo, 23/4, às 9h, no último dia de Bienal, a programação especial fora do Centro de Eventos do Ceará será uma pedalada literária e artística, do Mucuripe ao Poço da Draga. O tema é “Alegria é a prova dos nove: pedalando com Frida Kahlo” e a convidada especial é Izabel Gurgel, jornalista, ex-diretora do Theatro José de Alencar. O passeio se inicia na área dos barcos no Mucuripe e segue até o Pavilhão Atlântico, no Poço da Draga, Praia de Iracema.

Bienal no Sobrado José Lourenço

A exposição “Biwá”, no Sobrado José Lourenço, da artista quilombola Claudia Oliveira, também integra a programação da Bienal Fora da Bienal. A abertura aconteceu no sábado, 15/4, às 10h, no Sobrado (Rua Major Facundo, 154, Centro, e a exposição segue aberta ao público, com entrada franca, ao longo de todo o período da Bienal, de segunda a sábado.

Mais sobre a Bienal Fora da Bienal

A Bienal Fora da Bienal é tanto uma forma de levar as atividades do evento a outros públicos, ressaltando o caráter democrático, inclusivo e participativo da Bienal, em sintonia com a política cultural do Ceará, como de colocar em prática o tema do evento, “Cada pessoa um livro; o mundo, a biblioteca”, promovendo encontros entre pessoas de diferentes contextos, “acervos vivos” capazes de dialogar, compartilhar experiências, visões de mundo, crescer juntos, a partir de encontros que só a Bienal poderia proporcionar.

“A produção de situações de encontro para a Bienal Fora da Bienal é uma iniciativa inovadora da Bienal Internacional do Livro do Ceará”, destaca o escritor Julio Lira, da ONG Mediação de Saberes, responsável pela coordenação e pela curadoria da Bienal Fora da Bienal.

“A Bienal Fora da Bienal realizará ao todo 14 atividades, pensadas estética, afetiva e politicamente. Este ano, juntos com a coordenação geral da Bienal, fomos chegando a uma programação em que outra vez nomes muito importantes da literatura de língua portuguesa terão oportunidade de interagir com nossa gente mais querida”, complementa Julio Lira, citando a coordenadora geral, Mileide Flores, e os curadores, Lira Neto, Cleudene Aragão e Kelsen Bravos, além de sugestões do secretário da Cultura do Estado do Ceará, Fabiano dos Santos Piúba, e convidando todos a vivenciar ao máximo a Bienal Fora da Bienal.

Acompanhe toda a cobertura fotográfica da XII Bienal Internacional do Livro do Ceará em nosso flickr, acesse aqui.