post

Destruição e resgate da escultura do artista cearense Sérvulo Esmeraldo são registrados em livro por Dodora Guimarães e Gilmar de Carvalho 

Depois de protagonizar a identidade visual da XIII Bienal Internacional do Livro do Ceará, a Femme Bateau de Sérvulo Esmeraldo (1929-2017) foi destaque novamente, desta vez na programação do evento, com o lançamento do livro “La Femme Bateau”, de autoria de Dodora Guimarães – curadora de arte, presidente do Instituto Sérvulo Esmeraldo e viúva do artista cearense – e do pesquisador e escritor Gilmar de Carvalho. O encontro para apresentar o trabalho ao público aconteceu na noite deste sábado (24), no espaço Terreiro em Sonho.

A publicação resgata e registra a inusitada sucessão de acontecimentos que marcaram a entrega da obra de Sérvulo “La Femme Bateau” à cidade de Fortaleza. Inspirada nas formas de um barco em passagem, a escultura era chamada por seu autor de “mulher-barco”, com sua fumaça preta semelhante a cabelos esvoaçantes. Em 2018, ela fez parte de uma série de obras de Sérvulo que foram restauradas e retornadas ao cenário da Capital. 

Instalada na Praia de Iracema, na Ponte dos Ingleses, em março de 2018, “La Femme Bateau” foi arrastada por grandes ondas de uma ressaca do mar pouco depois da inauguração. Seguiu-se então uma operação de resgate que conseguiu tirar os pedaços do fundo das águas. Um novo restauro está em curso desde então, e a Femme deve retornar inteira ao seu posto ainda neste ano.

Todo esse imbróglio foi acompanhado pela população e pela mídia local – desde a localização dos pedaços por um guarda-vidas da praia até o trabalho de três dias do Corpo de Bombeiros para içar o material. Além de notícias, matérias e fotos, o acontecimento inspirou crônicas sobre a Femme e sobre o trabalho de Sérvulo, publicadas nos jornais da cidade. Tendo acompanhado de perto a operação, Dodora guardou recortes de todo o material, que agora compõe o livro.  “O foco da publicação é sobretudo o ‘naufrágio’ e o resgate da escultura, que mobilizou a cidade de maneira surpreendente. Fortaleza toda se manifestou pedindo e torcendo pela volta da obra; os veículos deram uma cobertura ampla e vários cronistas, músicos e poetas escreveram textos sobre o ocorrido, sobre a falta da Femme na paisagem”, recorda Dodora. 

“Isso tudo me tocou profundamente, então passei a colecionar esse material. Tomei conhecimento de muitos deles pelas redes sociais. O fotógrafo Gentil Barreira, por exemplo, estava trabalhando no dia, então fez imagens do resgate. O Tibico Brasil também, inclusive ele já tinha um vídeo com Sérvulo falando sobre a escultura. Então foi um momento muito particular, que vivi com angústia. A Femme tinha acabado de ser restaurada, veio essa onda e a levou”, lembra a curadora. 

A ideia da publicação, portanto, já vinha desde o sucesso do resgate, com o material em mãos, e a escolha já feita do coautor. “Queria que o livro fosse realizado também por um profissional de outro campo do saber. E sempre quis trabalhar com Gilmar de Carvalho. Ele topou e fez um ensaio historiográfico muito interessante”, agradece Dodora. Junto com o texto do pesquisador, as fotos e os fac-símiles do primeiro restauro e do resgate da obra estão nove dos textos publicados à época.

Mas foi preciso um alinhamento das circunstâncias para o trabalho sair do – ou melhor, virar papel. “Quando fui consultada pela Bienal sobre utilizarem a imagem da Femme na marca do evento, vi que era a hora de colocar a ideia pra frente. Conseguimos o patrocínio do Instituto Iracema e lançar ainda durante a Biena é legal porque o livro chegou antes do retorno da obra, que será recolocada no mesmo lugar”, celebra Dodora.

Em 2019, Sérvulo Esmeraldo completaria 90 anos de vida. A data inspirou uma homenagem por parte do Governo do Estado do Ceará que instituiu o Ano Cultural Sérvulo Esmeraldo, aprovado pela Assembleia Legislativa.

Sobre a Bienal

A XIII Bienal Internacional do Livro do Ceará é apresentada pelo Ministério da Cidadania e pela Secretaria de Cultura do Estado do Ceará. Realizada pelo Instituto Dragão do Mar, Governo do Estado do Ceará, por meio da Secult, e Governo Federal, a Bienal do Livro conta com os patrocínios de Bradesco, Cagece, Grendene e Cegás, e com os apoios de Fecomércio, Sebrae, Universidade de Fortaleza (Unifor), Unilab, TV Ceará, Sistema Verdes Mares, Grupo O Povo, Café Santa Clara, RPS Eventos, Câmara Cearense do Livro, Sindilivros-CE, Câmara Brasileira do Livro (CBL), Associação Brasileira de Difusão do Livro (ABDL), Associação Nacional de Livrarias (ANL), Prefeitura de Fortaleza e das Secretarias de Educação (Seduc), Turismo (Setur), Cidades (SCidades) e Ciência, Tecnologia e Educação Superior do Estado do Ceará (Secitece).


Serviço
XIII Bienal Internacional do Livro do Ceará
De 16 a 25 de agosto, de 10h às 22h
Centro de Eventos do Ceará
facebook.com/BienalDoLivroDoCeara
instagram.com/bienaldolivroce
bienaldolivro.cultura.ce.gov.br