Abdellah Taïa é um escritor e cineasta marroquino que escreve em francês e está baseado em Paris desde 1998. Ele publicou oito romances, muitos deles altamente autobiográficos. Seus livros foram traduzidos para basco, holandês, alemão, inglês, italiano, romeno, espanhol, sueco, dinamarquês e árabe. Autor de romances como Le roi du Jours ( Prêmio Flore 2010), Infidèles (2012) e Un pays pour mourir (2015). Em 2014, dirigiu um longa metragem baseado no seu romance L’armée du salut.


Amara Moira

Amara Moira, nascida e criada em Campinas, é uma travesti, feminista, escritora e professora de literatura em cursinho brasileira. Defendeu doutorado em teoria literária pela Universidade Estadual de Campinas no ano de 2018, e, com isso, se tornou a primeira mulher trans a obter o título pela referida universidade usando seu nome social. Durante seu doutorado na UNICAMP sobre a produção literária de James Joyce, iniciou seu processo de transição de gênero. Tinha, então, 29 anos de idade. Na sequência, iniciou sua atividade como prostituta e como escritora de um blog, onde relatava suas experiências e a de outras colegas na profissão. Tal período foi inspiração para a escrita posterior de seu livro E se eu fosse puta, lançado em 2016. Atualmente, não trabalha mais como profissional do sexo, mas é uma defensora da regulamentação da prostituição no Brasil. Além disso, Amara acredita que a literatura é fonte de transformação social.


Ana Miranda

Nasceu em Fortaleza, em 1951. Morou em Brasília, no Rio de Janeiro e em São Paulo. Hoje vive no Ceará. Estreou como romancista em 1989, com Boca do Inferno (prêmio Jabuti de revelação). De lá para cá escreveu diversos romances, entre eles Desmundo (1996), Amrik (1997) e Dias & Dias (2002, prêmio Jabuti de romance e prêmio da Academia Brasileira de Letras). Foi escritora visitante em universidades como Stanford e Yale, nos Estados Unidos, e representou o Brasil perante a União Latina, em Roma.


Bel Santos

Educadora social, mestranda do Programa de Pós-graduação em Lazer e Turismo (PPTur/EACH/USP). Desde 1988 atua em organizações não governamentais e facilita processos de criação de Bibliotecas Comunitárias gerenciadas por jovens. É empreendedora social da Ashoka. Coordena o Programa de Direitos Humanos do Instituto Brasileiro de Estudos e Apoio Comunitário – IBEAC. É membro do grupo gestor da Rede LiteraSampa/RNBC. 


Conceição Evaristo

Maria da Conceição Evaristo de Brito nasceu em Belo Horizonte, em 1946. De origem humilde, migrou para o Rio de Janeiro na década de 1970. Graduada em Letras pela UFRJ, trabalhou como professora da rede pública de ensino da capital fluminense. É Mestre em Literatura Brasileira pela PUC do Rio de Janeiro, com a dissertação Literatura Negra: uma poética de nossa afro-brasilidade (1996), e Doutora em Literatura Comparada na Universidade Federal Fluminense, com a tese Poemas malungos, cânticos irmãos (2011), na qual estuda as obras poéticas dos afro-brasileiros Nei Lopes e Edimilson de Almeida Pereira em confronto com a do angolano Agostinho Neto.


Frei Betto

Frade dominicano e escritor Brasileiro. Adepto da Teologia da Libertação, é militante de movimentos pastorais e sociais. Foi coordenador de Mobilização Social do programa Fome Zero. Premiado com o Jabuti de 1983, traduzido na França e na Itália, Batismo de Sangue descreve os bastidores do regime militar, a participação dos frades dominicanos na resistência à ditadura, a morte de Carlos Marighella e as torturas sofridas por Frei Tito. Recebeu o prêmio CREA/RJ de Meio Ambiente, em 1998, do CREA/RJ; a medalha Chico Mendes de Resistência, concedida pelo Grupo Tortura Nunca Mais do Rio de Janeiro em 1998, o troféu Paulo Freire de Compromisso Social em 2000; a medalha do Mérito Dom Helder Câmara do Instituto Cidadão, pelos serviços prestados na preservação e fiscalização da gestão pública moral e legal, em 2006; e o título de Cidadão Honorário de Brasília, em 2007, concedido pela Câmara Legislativa do Distrito Federal, entre outras honrarias


José Eduardo Agualusa

José Eduardo Agualusa Alves da Cunha nasceu em 13 de dezembro de 1960 e é um escritor angolano de ascendência portuguesa e brasileira.  Iniciou a carreira literária em 1988, e é considerado um dos mais importantes escritores africanos dos últimos tempos, escreveu obras como com “A conjura”. Entre seus livros, destacam-se os romances “Nação Crioula”, “O Vendedor de Passados” (prêmio de ficção estrangeira do jornal inglês The Independent) e “As Mulheres do Meu Pai”, os volumes de contos “Fronteiras Perdidas” e “Catálogo de sombras”, além das peças de teatro “Chovem Amores na rua do Matador” (com Mia Couto) e “Aquela Mulher”. Atualmente divide seu tempo entre Luanda e Lisboa. 


Lúcia Santaella

É uma das principais divulgadoras da semiótica e do pensamento de Charles Peirce no Brasil, contando com mais de quarenta livros publicados. Professora titular da PUC-SP com doutoramento em Teoria Literária na PUC-SP (1973), e livre-docência em Ciências da Comunicação na ECA/USP, (1993). É fundadora do “CSGames TIDD”, Grupo de Pesquisa em Computação, Semiótica e Games do programa de pós-graduação em Tecnologias da Inteligência e Design Digital PUC-SP.


Mailson Furtado

Ator, diretor, dramaturgo, produtor cultural e cirurgião-dentista graduado pela Universidade Federal do Ceará, e em pós-graduação em Endodontia pela Faculdade Paulo Picanço e em Gestão Cultural pela Universidade Estadual Vale do Acaraú. Autor das obras Sortimento (2012), Conto a Conto (2013), Versos Pingados (2014), À cidade (2017 – Vencedor nas categorias poesia e Livro do Ano no 60º Prêmio Jabuti), e Passeio pelas ruas de mim [e de outros] (2018). Produtor da Casa de Arte CriAr, membro-fundador da CIA teatral Criando Arte, da qual é diretor e ator, e do Grupo Literário Pescaria. Acadêmico correspondente da Academia Ipuense de Letras, Ciências e Artes. Administrou o blog Improvisos de 2009 a 2016, e do blog Re|Visão a partir de 2018. É facilitador em cursos, oficinas e palestras sobre arte, cultura, literatura, teatro e protagonismo juvenil.


Marcos Bagno

É professor do Departamento de Línguas Estrangeiras e Tradução da Universidade de Brasília, doutor em filologia e língua portuguesa pela Universidade de São Paulo, tradutor, escritor com diversos prêmios e mais de 30 títulos publicados, entre literatura e obras técnico-didáticas. Atua mais especificamente na área de sociolinguística e literatura infanto-juvenil, bem como questões pedagógicas sobre o ensino de português no Brasil. Em 2012 sua obra As memórias de Eugênia recebeu o Prêmio Jabuti. É autor de mais de uma dezenas de obras, que oscilam entre a ficção e a teoria, sobretudo a linguística.


Mário Magalhães

Nasceu no Rio de Janeiro, em abril de 1964. Formou-se em jornalismo na Escola de Comunicação da UFRJ. Trabalhou nos jornais Tribuna da ImprensaO GloboO Estado de S. Paulo e Folha de S.Paulo, no qual foi repórter especial, colunista e ombudsman. Recebeu cerca de vinte prêmios e menções honrosas no Brasil e no exterior, entre os quais o Every Human Has Rights Media Awards, o Prêmio Vladimir Herzog, o Prêmio Dom Hélder Câmara e o Prêmio Esso de Jornalismo. 


Ronaldo Correia de Brito

É escritor e médico, nasceu em Saboeiro, Ceará, em 2 de julho de 1951. Foi escritor residente da Universidade de Berkley (Califórnia), participou de diversos eventos internacionais, como a Feira do Livro de Bogotá, o Festival Internacional de Literatura de Buenos Aires, o Salon du Livre de Paris e a Feira do Livro de Frankfurt. Sua carreira artística envolve as mais diferentes linguagens, como literatura, teatro e música. São de sua autoria O baile do menino deus (teatro), Lua Cambará (disco), Faca (livro de contos), Galiléia (Prêmio São Paulo de Literatura), Estive lá fora (romance) e O amor das sombras (contos).


Socorro Acioli

Nasceu em Fortaleza, em 1975. É jornalista, mestre e doutora em estudos de literatura pela Universidade Federal Fluminense, no Rio de Janeiro. Foi bolsista da Biblioteca Internacional da Juventude de Munique e aluna de Gabriel García Márquez, ganhador do prêmio Nobel, na oficina Como Contar um Conto, em Cuba. Escreveu diversos livros, entre eles Ela tem olhos de céu (editora Gaivota) – que recebeu o prêmio Jabuti de literatura infantil em 2013 -, A cabeça do santo (Cia das Letras) e A bailarina fantasma (SEGUINTE).